terça-feira, setembro 29, 2009

A peste em Roma, Jules Elie Delaunay, 1869, Museu D'Orsay, Paris


(...) esta epidemia não me ensina nada senão que preciso combatê-la ao vosso lado. Sei de ciência certa (Sim, Rieux, vocês vêem bem, eu sei tudo da vida) que cada um a traz em si, a peste, porque ninguém, ninguém no mundo, lhe é imune. É preciso uma vigilância constante para não ser obrigado, num minuto de distracção, a respirar na figura do outro e a pegar-lhe a infecção. O que é natural, é o micróbio. O resto, a saúde, a integridade, a pureza, se quiserem, é produto da vontade e de uma vontade que não deve imobilizar-se. O homem honesto, aquele que não infecta quase ninguém é o que tem menos distracções possíveis. E é necessária vontade e tensão para nunca se distrair! Sim, Rieux, é cansativo ser um pestilento.Mas ainda é mais cansativo não querer sê-lo. É por isso que estamos todos fatigados porque todos nós estamos hoje um pouco pestilentos. Mas é por isso que alguns, querendo deixar de o ser, experimentam um excesso de fadiga da qual nada os poderá libertar senão a morte.





Albert Camus, La Peste, Gallimard, 1979, Cher





Tradução de Helena Serrão

segunda-feira, setembro 21, 2009

A Filosofia

Abbas Kowsari, Shade of earth,Irão, 2008
.

Filosofia,como entenderei a palavra, é algo intermédio entre a teologia e a ciência. Como a teologia consiste em especulações sobre matérias inacessíveis até agora ao conhecimento definido, mas como a ciência apela para a razão de preferência à autoridade, quer da tradição, quer da revelação. Todo o conhecimento definido (...) pertence à ciência; todo o dogma como o que excede o conhecimento definido pertence à teologia. Mas entre teologia e ciência há uma terra sem dono exposta aos ataques de ambos os lados: é a filosofia. As questões de maior interesse para os espíritos especulativos raro têm resposta científica e as respostas confiantes dos teólogos já não parecem tão confiantes como nos séculos anteriores. Estará o mundo dividido entre espírito e matéria? e, sendo assim, que é espírito e que é matéria? Está a alma sujeita à matéria ou tem energias independentes? Tem o universo unidade ou fim?Evolui para algum objectivo? Há realmente leis da natureza ou cremos nelas devido ao nosso inato amor da ordem?É o homem o que aparece ao astrónomo, um pequeno conjunto de carvão impuro e água, a arrastar-se impotente sobre um pequeno planeta sem importância? Ou é o que pensava Hamlet? Será as duas coisas?Há um tipo nobre e um tipo baixo de vida ou são todos meramente fúteis? Se um deles é nobre, em que consiste e como realizá-lo? Deve o bem ser eterno para poder ser apreciado ou merece procurar-se ainda quando o universo caminha inexoravelmente para a morte? existe de facto a sabedoria ou não passa de derradeiro requinte de loucura? Não há resposta em laboratório para tais questões. Pretenderam as teologias dar respostas, todas demasiado definidas, o que as torna suspeitas a espíritos modernos. Estudar essas questões, senão responder-lhes, é a tarefa da filosofia.


Bertrand Russell, História da Filosofia Ocidental, Lisboa, Livros Horizonte, 1966, pp.13-14

quarta-feira, setembro 16, 2009

Existir num lugar preciso.

Uma rua de Paris, Fotógrafo desconhecido


Como era triste, a sala de jantar onde estudava para o curso! A janela aberta mostrava as copas dos castanheiros em flor, e mais longe, sobre os telhados das casas, fumos brancos e cinzentos inclinavam-se no céu como grandes plumas. Debruçando-me um pouco, apercebia-me da entrada do museu e do ruído dos automóveis subindo sem cessar até aos meus ouvidos. O mundo estava cheio de gente que sabia para onde ia, aqui uns, outros ali. Nesta organização de inquietações e alegrias, qual seria o meu lugar? Sentia-me ao mesmo tempo o mais rico e o mais inútil dos seres. Como poderia ser que, durante horas, os homens consentissem, por exemplo, em guardar as salas vazias do Luxembourg, ou a dormitar no Senado, ou a fazer somas nas traseiras de uma loja? Que quereria dizer esta ordem que matava a vida? Porque o simples facto de viver é opressivo e não nos habituamos a ele, sem dúvida, senão cumprindo ocupações imbecis. Mas eu, não podia mais que existir.


Procurava, como outrora, os locais onde a vida não se assemelhasse, onde esquecesse que tinha um quarto, à esquina da rua Féron, uma mãe atenta, e manias, formas de pensar que eram como uma prisão.


Esta obscura necessidade de me libertar conduzia-me a um sítio estranho que não me parecia situado nem no sonho nem na realidade tal como a conhecemos. Se tenho boa memória, era na esquina de uma rua que vai dar ao Champs-de-Mars. Todos os dias, centenas de pessoas por lá passavam e não viam, sem dúvida mais que uma vasta construção inacabada onde o meu olhar descobria um outro mundo.

Julien Green, L'Autre Sommeil, pag 85,86, Fayard, Paris, 1994 (1ª Edição 1931)

Traduzido do Francês original por Helena Serrão

sábado, setembro 05, 2009

O que é o Homem?


Informações detalhadas SOBRE o programa do colóquio: AQUI