terça-feira, abril 01, 2008

O sentido da vida


Albert Camus - 1913 /1960

Só há um problema filosófico verdadeiramente sério: o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida é responder uma questão fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; é preciso primeiro responder. E se é verdade, como quer Nietzsche, que um filósofo, para ser estimado, deve pregar com o seu exemplo, percebe-se a importância dessa reposta, porque ela vai anteceder o gesto definitivo. São evidências sensíveis ao coração, mas é preciso ir mais fundo até torná-las claras para o espírito. Se eu me pergunto por que julgo que tal questão é mais premente que tal outra, respondo que é pelas ações a que ela se compromete. Nunca vi ninguém morrer por causa do argumento ontológico. Galileu, que sustentava uma verdade científica importante, abjurou dela com a maior tranqüilidade assim que viu sua vida em perigo. Em certo sentido, fez bem. Essa verdade não valia o risco da fogueira. Qual deles, a Terra ou o Sol gira em redor do outro, é-nos profundamente indiferente.
Albert Camus, O Mito de Sísifo, Livros do Brasil,Lisboa, s.d

Um comentário:

Anônimo disse...

Albertina 10D

penso que a questão filosófica acerta do suicídio e muito complicada pois nós seres humanos, perguntamos nos a nós próprio se temos autoridade máxima para retirar a nossa vida, sabemos que é errado por sempre nos dizerem que Deus não perdoa um suicídio.Mas se nós e que vivemos a nossa vida porque não retira la quando estamos fartos?.
eu mesma pergunto me qual é o verdadeiro sentido da vida e pela qual só tenho uma única resposta que poderá não agradar a muitos, penso a verdadeira razão pela qual temos que viver é para aprender como vive la e uma definição estúpida mas é a única resposta que encontro,mas muitos perguntam se "por que que temos de viver para aprender se depois não podemos colocar esse aprendizado em prova?" a resposta é muito simples para utiliza la na próxima vida