domingo, maio 29, 2016

O Poder dos Mitos



Rubens, Prometeu agrilhoado, 1610

A lenda tenta explicar o que não se pode explicar; porque vem de um fundamento de verdade, tem que terminar no que não se pode explicar.
De Prometeu conhecemos quatro lendas. Diz a primeira que ele foi agrilhoado ao Cáucaso por ter traído os deuses aos homens e que os deuses enviaram águias que lhe devoraram o fígado que se renovava sem fim.
Diz a segunda que, com a dor das bicadas que o atormentavam, Prometeu se apertou cada vez mais contra o rochedo até se tornarem um.
Diz a terceira que passados milhares e milhares de anos a sua traição foi esquecida, os deuses esqueceram, as águias, ele próprio.
Diz a quarta que todos se cansaram do que já não tinha fundamento. Os deuses cansaram-se, as águias. A ferida fechou-se cansada. Restou o rochedo inexplicável.

Franz Kafka, Contos, 2005, Relógio D'Água, Lx, p.41

A virtude deste texto é a de produzir uma sensação de temporalidade que afecta não só os protagonistas, como as histórias e os seus leitores. A História passa a histórias e nenhum mito sobrevive no absoluto da sua tragédia. O tempo acaba por fazer desaparecer os seus  contornos mais fortes e exemplares e desvanece a tragédia, ficando apenas a memória longínqua do que inventámos para explicar o inexplicável. É a derrota dos mitos e a permanência do inexplicável. Discordo de Kafka apesar de admirar a lassidão pessimista deste texto.  Os mitos não fracassaram, pelo contrário, a sua força  não é como a das teorias científicas, estas vão sendo substituídas sem deixarem rasto, pois prevalece a que gera mais resultados positivos no domínio sobre a natureza. A força dos mitos não se pode medir em termos de resultados positivos, ela está na eloquência, na imaginação, no poder de evocar imagens poderosas. Adaptados ou recriados os mitos não desaparecem nem são substituídos, vão apontando as condições através das quais compreendemos melhor a nossa humanidade e assim, através dessa vaga compreensão, nos aproximamos dela.

Nenhum comentário: