segunda-feira, julho 23, 2007

O Ponto de exclamação

Pablo Picasso, Málaga, 1881/1973.
1917 - Les demoiselles d'Avignhon

" Sento-me hoje em frente duma máquina de escrever novinha em folha e a primeira coisa que procuro é naturalmente o ponto de exclamação. Mas não, esta máquina, última palavra de inteligência dactilográfica, exemplo, de certo, das mais vivas necessidades do homem moderno, resultado de numerosas investigações psicológicas e sociológicas acerca da melhor maneira de os homens melhor se adaptarem à realidade dos nossos dias, tem o cifrão, claro, tem também os sinais aritméticos (por amor da matemática ou da ganância?) tem o sinal das percentagens, tem ainda o ponto de interrogação (até quando?), mas o ponto de exclamação, esse, desapareceu.E desapareceu certamente porque se concluiu já não ser necessário ― devermos tudo aceitar sem espanto. O espanto, ter-se-á descoberto, é um factor de perturbação no universo, a dedada do demónio.O começo duma nova era? Afastado dos teclados das máquinas de escrever, numa época em que toda a escrita passa pelas máquinas de escrever (até cartas de amor), o ponto de exclamação (e portanto a própria exclamação) caminham para o rol das coisas arcaicas, precedendo, provavelmente o ponto de interrogação, o outro sinal do demónio. E com mais uns anos, as próprias escolas deixarão de ensiná-lo, a memória dele perder-se-á.Sem o sinal tradutor do espanto, os homens deixarão de se espantar, a flor, o regato, o quarto crescente da Lua, a mulher bonita e inteligente não terão mais mistério, o mundo passará a ser apenas o que parece ser: compreensível, óbvio, as maçãs cairão porque sim. Opaco.Ah!!!!Oh!!!! "

Augusto Abelaira, Requiem pelo ponto de exclamação

7 comentários:

Tadeu Brandão disse...

Cheguei aqui procurando no google uma coisa bem literal: "como fazer ponto de interrogação usando teclado de máquina de escrever?". Realmente parece não ter jeito. Tenho uma Olivetti (maletinha verde, clássica, comprei reformada recente e está perfeita) que uso como mural de recados em casa, diário, auto-relato, enfim... um "objeto de decoração" muito útil! Mas adorei as considerações de vocês, obrigado!

Tadeu Brandão disse...

Cheguei aqui procurando no google uma coisa bem literal: "como fazer ponto de interrogação usando teclado de máquina de escrever?". Realmente parece não ter jeito. Tenho uma Olivetti (maletinha verde, clássica, comprei reformada recente e está perfeita) que uso como mural de recados em casa, diário, auto-relato, enfim... um "objeto de decoração" muito útil! Mas adorei as considerações de vocês, obrigado!

Beatriz Fontes disse...

Acabo de descobrir, estarrecida, que minha máquina de escrever não exclama, apenas indaga. E este texto do Abelaira foi providencial para lembrar o eterno repetir-se das coisas. Sinto-me menos só em minha descoberta agora, embora igualmente menos original. ;-)

PS: Minha máquina é idêntica à do Tadeu Brandão, só que foi presente de meu pai, quando presentes assim ainda faziam sentido, numa época sem computador e/ou internet. Quase não teve uso. Afinal, a tecnologia se desenvolveu rápido... Achei num fundo de armário e está perfeita.

Fabious disse...

essa mulher aí de cima é maluca, gente.

Alexandre Pereira Bühler disse...

Use o apóstrofo e depois volte o carro uma letra então bata um ponto final bem fraco.
Foi assim que aprendi a fazer ponto de exclamação na minha Olivetti Leterra 82.

Giotto di Bondone disse...

Acho q não tem porque as máquinas são, ou foram, voltadas para o uso comercial, assuntos de negócios e tal - e não há uso para a exclamação numa msg formal. Acredito q seja por isso...

Psicologia disse...

Isso mesmo!
Deu certo!
Segui suas instruções, Alexandre
Apóstrofo com ponto final embaixo
Valeu!