domingo, março 15, 2009

Descartes: o dualismo corpo/mente

" O ponto de vista dominante da filosofia ocidental nos últimos trezentos anos tem sido o que derivou do filósofo francês René Descartes, um dos filósofos mais influentes de todos os tempos. O seu método consiste em olhar para um problema questionando o modo como um indivíduo adquire conhecimento. […]
O trabalho mais conhecido de Descartes, o Discurso do Método – o seu título completo é Discurso do Método Para Conduzir Adequadamente a Razão e Procurar a Verdade nas Ciências – está escrito num estilo atraente e claro. Pode parecer que aquilo que ele escreveu é mais simples e mais óbvio do que é na realidade, por isso temos de considerar aquilo que ele escreveu de modo cuidadoso. Eis uma passagem da quarta parte do Discurso do Método, publicado em 1637, na qual ele define de modo muito claro a sua perspectiva acerca da natureza do seu próprio eu (self):
“Então, examinando atentamente aquilo que eu era e vendo que poderia presumir que não possuía corpo e que não havia mundo nem nenhum local onde eu estivesse, mas não poderia fingir que eu não existia; e que, pelo contrário, pelo facto de estar a duvidar da verdade de outras coisas, seguia-se com bastante evidência e certeza que eu existia; ao passo que se eu tivesse parado de pensar, embora tudo o que eu sempre pensei ser verdadeiro o fosse, eu não tinha razão para acreditar que eu existia; eu soube a partir disto que eu era uma substância cuja essência ou natureza era apenas o pensamento….”
Esta passagem contém praticamente todos os componentes centrais da filosofia da mente de Descartes.Em primeiro lugar, Descartes é um dualista. Isto significa acreditar que a mente e o corpo são duas espécies de coisas bastante distintas, dois tipos do que ele chama “substância”.Em segundo lugar, aquilo que ele pensa que tu és, o teu eu, é a mente. Dado que tu és uma mente, e as mentes são totalmente independentes do corpo, tu podes mesmo assim existir, sem um corpo.Em terceiro lugar, a tua mente e os teus pensamentos são aquilo que tu conheces melhor. Para Descartes é possível, pelo menos em princípio, existir uma mente sem um corpo, sendo incapaz, por mais que tente, de se aperceber de outras coisas, incluindo outras mentes. Descartes sabia, como é óbvio, que o modo como tomamos conhecimento daquilo que se passa na mente de outras pessoas é pela observação da fala e das acções de “outros corpos”. Mas para ele havia duas possibilidades sérias capazes de pôr em causa a nossa crença na existência de outras mentes. Uma é que os outros corpos podem ser apenas fingimentos da nossa imaginação. A outra é que, mesmo que os corpos e as outras coisas materiais existam, as provas que normalmente pensamos que justificam a nossa crença que os outros corpos são habitados por mentes pode ter sido produzida por autómatos, por máquinas sem mentes.Em quarto lugar, a essência da mente é ter pensamentos, e por “pensamentos” Descartes significa algo de que te apercebes na tua mente quando estás consciente. (A essência de um tipo de coisa, K, é a propriedade – ou o conjunto de propriedades – cuja posse é uma condição necessária e suficiente para ser um membro de K. Ou seja, se algo tem a propriedade essencial E, então pertence a K – portanto E é uma condição suficiente para pertencer a K; tudo o que não tem E, não pertence a K – portanto E é necessário para a relação de pertença.) Noutras passagens Descartes diz que a essência de uma coisa material – a propriedade, por outras palavras, que toda a coisa material tem que ter – é ocupar espaço. Isto significa que para Descartes as duas diferenças essenciais entre coisas materiais e mentes são (1) que as mentes pensam, enquanto a matéria não pensa, e (2) que as coisas materiais ocupam espaço, enquanto as mentes não. A tese de Descartes é, assim, que aquilo que distingue a mente do corpo é o facto negativo que a mente não existe no espaço e o facto positivo que as mentes pensam.Não é surpreendente que Descartes tenha pensado que a matéria não pensa. Poucas pessoas supuseram que as mesas ou os átomos têm pensamentos. Mas porque é que ele pensou que as mentes não existem no espaço? Afinal, podes pensar que a minha mente está onde está o meu corpo. Mas se eu não tivesse corpo, tal como Descartes pensava que era possível, ainda assim eu teria uma mente. Por isso ele não podia dizer que uma mente tem que estar onde o seu corpo está, simplesmente porque se pode não ter um corpo. Além disso, se eu tenho um corpo, porque é que eu não deveria dizer que é aí que a minha mente está? Se eu não tivesse um corpo, essa seria a resposta errada, mas na verdade eu tenho um corpo.Eu penso que a principal razão para pensar que as mentes não existem no espaço é o facto de parecer estranho perguntar “Onde é que estão os teus pensamentos?”. Mesmo que respondesses dizendo “Eles estão na minha cabeça”, não seria óbvio que isto era literalmente verdadeiro. Porque se eles estivessem na tua cabeça, poderias saber exactamente em que lugar da cabeça estariam e a quantidade de volume que ocupariam. Mas não se pode dizer quantos centímetros de comprimento ou largura ocupa um pensamento, nem se estão situados a norte ou a sul do córtex cerebral. […]É precisamente este dualismo que faz surgir um conjunto de dificuldades à posição de Descartes. Isto porque quem pensa que mente e corpo são totalmente distintos tem que responder a duas questões principais. A primeira, como é que eventos mentais causam eventos físicos? Como é que, por exemplo, as nossas intenções, que são mentais, levam à acção, que envolve movimentos físicos do nosso corpo? Como é que, por exemplo, é possível que a interacção física entre os nossos olhos e a luz leve às experiências sensoriais da visão, que são mentais? […]A resposta de Descartes a estas questões parece clara e suficientemente simples. O cérebro humano, pensava ele, possui um ponto de interacção entre a mente e a matéria. De facto, Descartes sugeriu a glândula pineal, situada no centro da cabeça, como sendo o canal entre os dois domínios distintos da mente e da matéria. Era esta a resposta dele para o problema mente-corpo.No entanto esta teoria entra em conflito com a afirmação de Descartes de que o que distingue o mental do material é o facto do mental não ser espacial. Pois se acontecimentos mentais causam acontecimentos cerebrais, então isso não significa que eventos mentais ocorrem no cérebro? Como é que algo pode causar um acontecimento no cérebro sem ser um acontecimento (ou algo do mesmo género) no cérebro? Normalmente, quando um evento – digamos “A” – causa outro evento – digamos “B” – A e B têm de estar próximos um do outro, ou tem que existir uma sequência de eventos próximos uns dos outros entre A e B. Uma drama num estúdio de televisão causa uma imagem no meu televisor a muitos quilómetros de distância. Mas há um campo electromagnético transporta a imagem do estúdio até mim, um campo que existe entre o meu televisor e o estúdio. A perspectiva de Descartes terá de ser a de que os meus pensamentos causam mudanças no meu cérebro e que estas mudanças depois levam à minha acção. Mas se os pensamentos não existem ou não estão próximos do meu cérebro, e se não existe uma cadeia de eventos entre os meus pensamentos e o meu cérebro, então isto é um tipo de causalidade muito invulgar.Descartes quer dizer que os pensamentos não estão em nenhum lugar. Mas, de acordo com o que ele defende, pelo menos alguns dos efeitos dos meus pensamentos estão no meu cérebro e nenhum dos efeitos directos dos meus pensamentos estão no cérebro de outras pessoas. Normalmente os meus pensamentos levam às minhas acções e nunca levam directamente às acções de outras pessoas. Chegamos, assim, a um problema central da posição de Descartes, já que é normal pensar que as coisas estão onde os seus efeitos se originam. (Podemos designar esta ideia como a tese causal da localização). Deste ponto de vista, os meus pensamentos estão no meu cérebro, que é a origem do meu comportamento. Mas se os eventos mentais ocorrem no cérebro, então, dado que o cérebro está no espaço, pelo menos alguns eventos mentais também existem no espaço. Assim, o modo como Descartes distingue o mental do físico não funciona. Designemos esta aparente conflito entreo facto de que a mente e a matéria parecem interagir causalmentee a afirmação de Descartes que a mente não existe no espaço o problema de Descartes.”


Kwame Anthony Appiah,Thinking it Through: An introduction to contemporary philosophy, Oxford University Press


Trad. João D. Fonseca

Fotografia do autor, Professor de Filosofia na Universidade de Princeton

8 comentários:

Rita Ubuntu disse...

Boa Noite. Antes demais quero elogiar a vossa iniciativa de criar um blog inteiramente sobre Filosofia e dizer que esta muito rico e pertinente, com imensos autores, "antigos" e mais contemporâneos. Contudo, estive a ler o texto que postaram sobre o Dualismo Mente/Corpo de Descartes (escrito por outro autor) e houve uma ideia que nao ficou muito clara para mim, que e' a seguinte:
"A essência de um tipo de coisa, K, é a propriedade – ou o conjunto de propriedades – cuja posse é uma condição necessária e suficiente para ser um membro de K. Ou seja, se algo tem a propriedade essencial E, então pertence a K – portanto E é uma condição suficiente para pertencer a K; tudo o que não tem E, não pertence a K – portanto E é necessário para a relação de pertença."

Eu estive a ler este excerto e fiquei com uma duvida.Sera que nao existe aqui algum erro? Quando no inicio diz "A essência de um tipo de coisa, K, ", aqui nao seria antes um "E" do que um "K"? e' que estive a tentar seguir o raciocínio e nao consegui por achar que algo nao faz sentido no inicio. Talvez seja um problema meu, e se assim for, gostaria imenso que me explicassem melhor esta situação especifica. Agradeço desde já toda a atenção disponibilizada e que tive muito gosto em visitar o vosso blog e que ate irei adiciona-lo aos meus favoritos, porque de facto, mesmo nao sendo aluna de Filosofia, acho que esta brilhante e interessante e, como amante de filosofia, considero-o muito pertinente para o meu percurso pessoal e ate académico.

Sem mais demoras,
Rita Ubuntu.

Carlos Marques e Helena Serrão disse...

Rita Ubuntu: No contexto, seria: K é a alma, todos os elementos do conjunto a que denominamos alma, todas as almas. Para ser alma(K) é necessário possuir uma ou várias propriedades que são por si condição suficiente para pertencer a K, isto é para ser alma; uma dessas propriedades é não ocupar espaço, condição necessária e pensar. Ambas as propriedades são essência de K, se algo as possui pertençe a K.
Não sei se esclareci.
Muito obrigada pelo comentário!

Rita Ubuntu disse...

Obrigadissima pela explicação! Ja fiquei a perceber melhor.
Quanto ao Dualismo Mente/Corpo de Descartes, sera que podiam esclarecer qual a diferença entre esta perspectiva e a de anteriores?
Obrigada mais uma vez por toda a atenção despendida.

Atenciosamente,
Rita Ubuntu.

Carlos Marques e Helena Serrão disse...

Rita, refere-se exactamente a perspectivas anteriores de Descartes ou sobre Descartes?

Anônimo disse...

Gostei do que li sobre Descartes, Corpo e Mente, me deu mais esclarecimentos da História da Filosofia com a Psicologia.
Valeu a pena pesquisar nesta página.Boa tarde.15.04.2013. Maria Gizelda.

Anônimo disse...

probably observed that the tables that are crowded tend to get [url=http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html]michael kors sale[/url] and some women. This kind of dedication in order to top quality [url=http://www.theaudiopeople.net/nfl.html]Discount NFL jerseys[/url] wills will be traditional. This way, get ready to enjoy the actual [url=http://www.theaudiopeople.net/beatsbydre.html]Custom Beats By Dre[/url] one can now have a clear concept of the base unit installation.
population consisting of street scum ,whores and cutthroats, [url=http://www.theaudiopeople.net/beatsbydre.html]Custom Beats By Dre[/url] Davy Jones, the supernatural leader of the Flying Dutchman, a [url=http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html]http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html[/url] health benefits of exercise and eating unprocessed foods, the [url=http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html]michael kors outlet stores[/url] Royal, The Wickedest City on Earth or otherwise called The Sodom
effectively cutting a cone shaped chunk out of the top of the [url=http://www.theaudiopeople.net/beatsbydre.html]Beats By Dre Cheap[/url] Stanford Wong took over where Thorpe left off. He wrote a book [url=http://www.theaudiopeople.net/beatsbydre.html]cheap beats by dre[/url] clients with nothing short of excellence with respect to analysis [url=http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html]http://www.theaudiopeople.net/michaelkors.html[/url] this form of transportation got them around it is very

Marcos Teixeira disse...

O templo shaolin abrigava monges budistas e guerreiros. Para eles "segundo a tradição oral" essas questões de corpo e mente estão relacionadas, sendo possível separalas somente no que chamamos de morte.

Josias disse...

Muito bacana o texto e muito completo, alem de bem escrito.

Lembrou um texto descontraído que escrevi sobre Descartes:

http://nerdwiki.com/2014/01/12/o-discurso-do-metodo-rene-descartes/