segunda-feira, novembro 09, 2015

A complexidade da ação humana


Thomas Hoepker, 1991, Guatemala, Homem transportando carne.
Tem sido comum para esclarecer uma questão central sobre a natureza da ação, invocar uma distinção intuitiva entre as coisas que apenas acontecem com as pessoas - os eventos a que se submetem - e as várias coisas que realmente fazem. Os últimos acontecimentos, as obras, são atos ou ações do agente, e o problema sobre a natureza da ação é suposto ser: o que distingue uma ação de um mero acontecimento ou ocorrência? Há já algum tempo, tem havido, no entanto, uma melhor apreciação dos caprichos do verbo 'fazer' e num sentido mais profundo podemos mostrar que a questão não está bem enquadrada. Por exemplo, uma pessoa pode tossir, espirrar, piscar os olhos ou corar, numa convulsão, e estas são todas coisas que a pessoa tem, nalgum sentido mínimo, "feito", embora nos casos habituais, o agente tenha sido inteiramente passivo ao longo dessas obras. É natural protestarmos dizendo que não é esse o sentido de" fazer " que o filósofo sagaz da ação originalmente tinha em mente, mas também não é tão fácil de dizer que sentido é esse. Além disso, como Harry Frankfurt notou, o comportamento intencional dos animais constitui um tipo inferior de fazer "ativo". Quando uma aranha caminha sobre a mesa, a aranha controla diretamente os movimentos das suas pernas,  estes são dirigidos para a levar de um local para outro. Esses mesmos movimentos têm um objetivo ou propósito para a aranha, e, portanto, eles estão sujeitos a um tipo de explicação teleológica. Da mesma forma, os movimentos ociosos dos meus dedos, que faço sem notar, podem ter o objetivo de libertar o lambuzado doce da minha mão. Toda essa atividade comportamental é "ação" num certo sentido bastante fraco.
No entanto, uma grande parte da ação humana tem uma estrutura psicológica mais rica. Um agente executa uma atividade que é dirigida para um objetivo, esse objetivo é uma espécie de meta que o agente adoptou com base numa avaliação prática global das suas opções e oportunidades. Além disso, está imediatamente disponível à  consciência do agente, que  está realizando a atividade em causa,  que esta atividade está destinada por ele para tal e tal fim escolhido. Num nível conceptual ainda mais sofisticado, Frankfurt também argumentou que as questões básicas relativas à liberdade de ação pressupõem  dar peso a um conceito de "agir com um desejo com o qual os agentes se identificam". (…) Assim, existem diferentes níveis de ação que são distintos, e estes incluem, pelo menos, o seguinte: inconsciente e / ou comportamento involuntário, atos com um propósito ou meta atividade dirigida (de aranha, por exemplo), ações intencionais  e autónomas ou ações de agentes humanos auto-conscientemente ativos. Cada um destes conceitos-chave para serem caracterizados, levantam alguns duros quebra-cabeças.  
Tradução de Helena Serrão

Nenhum comentário: