segunda-feira, março 11, 2019

Teoria histórica da arte





Vanessa Bell - Inglaterra -1879/1961

Como a designação da teoria deixa adivinhar, para Levinson a essência da arte reside no seu carácter histórico ou retrospetivo. Toda a arte é o resultado de uma atividade humana que se relaciona com o seu passado através da intenção de um indivíduo, que pode ou não conhecer essa história. Todas as obras de arte se referem necessariamente ao seu passado e, como tal, é legítimo considerar que, mais do que uma sucessão de eventos, existe evolução na arte. A responsabilidade por essa evolução pode atribuir-se não a uma instituição, mas às intenções de indivíduos que pretendem que certos objetos sejam vistos como já o foram obras de arte do passado. Uma das primeiras versões da definição histórica proposta pela teoria é a seguinte:

«(I) X é uma obra de arte = df X é um objeto acerca do qual uma pessoa ou pessoas, possuindo a propriedade apropriada sobre X, têm a intenção não-passageira de que este seja perspetivado-como-uma-obra-de-arte, i.e., perspetivado de qualquer modo (ou modos) como foram ou são perspetivadas corretamente (ou padronizadamente) obras de arte anteriores.» (Levinson, 1979, p. 236)

Como a própria mancha de texto deixa adivinhar, Levinson pretende formular uma definição explícita composta por condições necessárias e suficientes. Para compreender se é ou não uma definição correta é preciso explicitar os termos da definição. A primeira condição é a do direito de propriedade. Segundo esta, o artista não pode transformar em arte objectos que não lhe pertençam ou em relação aos quais não esteja devidamente autorizado a agir pelos seus proprietários. A esta luz fica vedada ao artista a possibilidade de transformar em arte algo que, não sendo seu, apenas indica ou nomeia como tal. O exemplo paradigmático de uma tentativa de o fazer foi protagonizado por Duchamp em 1916, quando indicou como arte o Edifício Woolworth. Das suas notas figurava uma indicação para procurar uma inscrição para o Edifício, então o mais alto de Nova Iorque, como readymade. Contrariamente ao que diria Dickie, que aceitaria que o Edifício Woolworth adquiriria o estatuto de obra da arte com a apresentação, Levinson afirma que este não pode chegar a ser arte, porque Duchamp não o possui nem está autorizado pelos seus proprietários a usá-lo como produto artístico. Pelas mesmas razões, os artistas não poderão transformar em arte paisagens, pessoas ou acontecimentos sob os quais não tenham qualquer direito de propriedade. Esta condição afasta a teoria Histórica tanto da proposta Institucional como de todas as outras que afirmam que tudo pode ser arte. Propõe também que se abandone uma visão caricatural do artista em que este surge dotado de um toque de Midas, capaz de transfigurar tudo o que a sua arbitrariedade artística selecionar como arte.

A segunda condição é a existência de um certo tipo de intenção que relaciona a arte do presente com a arte do passado. A arte requer conhecimento que se adquire ao longo do processo de socialização. Mesmo que não possua quaisquer crenças verdadeiras acerca da história da arte, o artista é alguém que tem conhecimentos suficientes acerca dos objetos e dos auditórios para poder formar intenções acerca desses objetos que fazem referência àquilo que a arte já foi. Mas que relação intencional é essa? E em que sentido é usada a palavra «intenção»? Em primeiro lugar, note-se que, para Levinson, a expressão «tem intenção de» é usada em sentido lato, significando esta apenas «faz, apropria-se ou concebe com o propósito de». Ter uma intenção, neste caso, é, então, ter um propósito ou uma finalidade em mente, e desenvolver uma ação para o atingir. Esta pode consistir em fazer, apropriar-se ou conceber algo. Depois, exige-se que a intenção não seja transitória, mas sim persistente ou estável. Impede-se assim que a arte seja fruto de caprichos passageiros ou de ímpetos momentâneos.

Paula Mateus, A teoria histórica de Levinson

2 comentários:

Um peregrino disse...

1 - Penso que não. Creio mais que haja formas adequadas diferentes de arte para cada época , as quais foram usadas com excelência pelos artistas em suas devidas épocas. A arte ajudou os artistas a dizerem, e disseram. A arte de agora não é melhor que a arte pré-histórica, apenas tem mais recursos, porém não fizeram falta ao nossos antepassados das cavernas.
2 - Essa "evolução" não é, com certeza, uma evolução, é uma mudança de visão em relação a determinados objetos. O que era arte (arte realmente) não tem que deixar de ser considera com tal. Se alguns objetos guardam todas as semelhanças com obras de artes, então são obras de arte obviamente.
3 - Repito: Se estes objetos têm todas as caracdterísticas de obras de arte, são obras de arte. Se têm que forçar para torná-los obras de arte, então não o são.
4 - Hein?! É o quê?! Se estão falando sobre uma intervenção artística sobre um objeto de alguém que não autorizou alterações em talç objeto, beleza. Agora, se estão tratando de um artista (realmente artista) que ache que deva verbalmente ou efetivamente agir sobre um objeto para torná-lo arte, aí não entendo! Por que diabos um verdadeiro artista que transforma matéria em beleza iria querer se apossar de um objeto qualquer, podendo ele mesmo confeccionar seu prórprio objeto gerando uma obra (de arte se for artistacamente bela, mas de todo modo uma obra.)?
5 - Meu Deus! Um edifício ("objeto" arquitetural) elaborado dentro das regras e tudo o mais
dentro da arte da arquitetura, não é uma obra de arte?
6 - Acho que estou passando mal.
7 - Como é? Acho que não estou entendendo mais textos em português! Se o artista é um paisagista, ele pode efetivamente, no plano da realidade tranformar uma paisagem em obra de arte. "Pessoas ou acontecimentos" tranforma,-se em arte quando modelos para a confecção de quadros, esculturas, encenações. etc.
8 - Ai! Se tudo é arte, nada é arte. Acho que estou tendo um derrame.
9 - Só sendo uma visão caricatural louca mesmo! Um artista não seleciona, ele faz, ele constrói, ele cria, ela confecciona sua obra de arte! O "toque de Midas" é o talento que o faz tranforma um material em uma escultura, uma pintura etc, através do seu trabalho! Acho que estou perdendo a visão.
10 - "Que relaciona a arte do presente com a arte do passado."?! Meu Deus! e não é assim com tudo? Nada tem relação com o passado? Tudo já nasceu pronto? Será que estou lendo mal? Acho que estou morrendo.
11 - Graças a Deus! alguma coerência!
12 - Deve ter sido uma pergunta retórica! Espero realmente que tenha sido!
13 - Certo,tudo isso pode ser praticado pelo artista legitimamente e calcado no real trabalho e criação intelectual. artistica, espiritual e social. Sem sombra alguma de fraude ou charlatanismo.
14 - "Hein? Acho que estou morrendo mesmo.
Acho que fui acometido por uma doença emburrecedora aguda, porque achei esse texto difícil de entender. Mas se estavam falando da preguiça intelectual e artística da “arte” Conceitual, estão certos. Retiro, portanto,o que disse.

Um peregrino disse...

Citações relativas aos comentários acima.

1 - " (...) , existe evolução na arte.
2 - " (...) essa evolução pode atribuir-se não a uma instituição, (...)"
3 - "«(I) X é uma obra de arte = df X é um objeto acerca do qual uma pessoa ou pessoas, (...)”
4 - "A primeira condição é a do direito de propriedade. Segundo esta,(…)"
5 - "(…) Duchamp em 1916, quando indicou como arte o Edifício Woolworth."
6 - "Contrariamente ao que diria Dickie, que aceitaria que o Edifício Woolworth (...)"
7 -"Pelas mesmas razões, os artistas não poderão transformar em arte paisagens,(...)."
8 - "Esta condição afasta a teoria Histórica tanto da proposta Institucional (...)"
9 - "Propõe também que se abandone uma visão caricatural do artista(...)"
10 - "A segunda condição é a existência de um certo tipo de intenção que relaciona a arte do presente com a arte do passado."
11 - "A arte requer conhecimento que se adquire ao longo do processo de socialização.(...)"
12 - "que relação intencional é essa?"
13 - “Esta pode consistir em fazer, apropriar-se ou conceber algo."
14 - "Depois, exige-se que a intenção não seja transitória, mas sim persistente ou estável. (...)":