quinta-feira, janeiro 24, 2008

De que falamos quando falamos de moral?


Harriet, a terrível
Harriet está no colégio, mas não é uma estudante muito simpática. Bate nos seus colegas e rouba o dinheiro que eles troxeram para comprar o lanche. Rasga os livros da biblioteca e parte as bicicletas das outras crianças. Na verdade, Harriet torna a vida dos outros alunos nada agradável.

Murphy, o assassino
Claro que todos nós fazemos coisas erradas. Em geral sentimo-nos culpados pelas nossas maldades. Sentimos que deveríamos tntar ser melhores do que somos. Fiz certamente muitas coisas pelas quais me senti culpado e que gostaria de não ter feito. E tenho a certeza de que isso é também uma verdade para si. Ninguém é perfeito.
Embora muitas das coisas que Harriet fez estejam erradas, há coisas piores. Vejam Murphy, por exemplo. Murphy é um cowboy. Também é um assassino. Dispara sobre viajantes indefesos e mata-os para lhes roubar o dinheiro. (...) É claro que matar uma pessoa é considerado uma das piores coisas que uma pesso pode fazer.

Moralidade
Ao dizer que algumas das coisas que Harriet e Murphy fazem são erradas, estou a falar sobre a moralidade do que fizeram. Harriet e Murphy não deveriam fazer o que fazem.
É claro que a moralidade não diz respeito apenas ao que não devemos fazer. Também diz respeito ao que devemos fazer. Diz respeito a fazer a coisa certa. Suponha que o senhor Black pediu emprestado um "balão" ao senhor Brown. Mas, enquanto o Sr. Black brinca , entusiasma-se e fura-o. O que deve fazer o Sr. Black? Pensa atirar o balão para o jardim do Sr Brown, sem que ele veja e fugir antes que ele descubra. Mas o Sr. Black faz a coisa certa. Confessa ao Sr. Brown que furou o balão. Concorda em consertá-lo.
Pagar as dívidas, ajudar as pessoas em seus contratempos, dizer a verdade são outros exemplos de fazer aquilo que é correcto.
Quando falamos de moralidade - do certo e do errado -, estamos a falar sobre o modo pelo qual deveríamos viver a vida. A maioria de nós sente que é moralmente errado mentir, enganar, roubar e matar. Sentimos que devemos ser honestos e dignos de confiança. Sentimos que devemos tratar as outras pessoas com respeito.


Stephen Law, Os Arquivos filosóficos, Martins Fontes, S.Paulo, 2003 (Trad. , adaptada)
Ilustração: Correggio, Retrato de um jovem ,1525

Um comentário:

Anônimo disse...

sim, todos temos que respeitar uns aos outros porque nós nascemos com essa ideia de que temos o dever respeitar os outros.
nair 10d